Número total de visualizações de página

sábado, 18 de abril de 2015

ALIJÓ


Antigamente viveram os mouros no lugar da Chã. Uma rapariga moura, muito bonita, apaixonou-se por um rapaz e, sabendo que o pai não gostava do pretendente, namoravam às escondidas. Isso não obstou a que o pai viesse a saber do namoro e proibisse a filha de continuar o idílio amoroso.
A moura, em vez de obedecer ao pai, que era o rei mouro, ainda mais comprometida ficou e acabou por casar com o jovem. Furioso, o rei tirou-lhe todos os direitos e todos os bens, expulsando-a do palácio. Visto isso, ela foi obrigada a trabalhar para sustentar a família, conjuntamente com o marido.
Também sobre ela ficou o encargo de construir a própria casa, uma vez que o pai não lhe deixou sequer um casebre para morar.
Foi então ela que carregou, à cabeça, as pesadas pedras da anta da Chã, enquanto levava o filho de meses ao colo.
Uma a uma, as pedras formaram as paredes e, uma delas, o telhado. Dispôs os colossos de pedra de maneira a albergar a família e a durar séculos a anta que lhe serviu de abrigo e lar.
Em noites de luar, no sítio das Chãs onde se encontra a anta, ainda há quem assegure ouvir os ais da moura a carregar as pedras, como se os suspiros dela tenham permanecido no local para todo o sempre.

À anta das Chãs ou Casa da Moura, o povo também atribuiu a designação de Fonte Coberta.

Sem comentários:

Enviar um comentário