Número total de visualizações de página

quarta-feira, 22 de abril de 2015

ALBERGARIA-A-VELHA


Na margem direita do rio Vouga, viveu em tempos um pescador que decidiu não casar. A sua vida era dura, a faina difícil e ele achou que não estaria à altura de sustentar uma companheira. No entanto, o seu maior desejo, mesmo um sonho, era ter um filho. Com fervor, dirigia as suas orações e o pedido a Nossa Senhora das Neves:
“Senhora das Neves, concedei-me um filho! Dai-me esse anjo!”
Nunca se esquecia de fazer o mesmo pedido em todas as orações. Até que, certo dia, andando na sua barca a pescar, viu uma caixa a boiar nas águas. Remou até ela e recolheu-a. Para sua admiração e contentamento, dentro da caixa vinha uma criança do sexo masculino.
Satisfeito e incapaz de silenciar a sua alegria, o pescador mostrou aquele “filho” a toda a comunidade piscatória.
O tempo foi passando e o rapaz foi crescendo. Ajudava o pescador, tratando-o por pai e guardando-lhe todo o respeito. Não se recusava perante qualquer tarefa, era humilde e diligente. Em determinada altura, porém, uma epidemia começou a dizimar a população e o rapaz adoeceu.
Implorou o pescador novamente a Nossa Senhora para lhe salvar o filho.
“Aqui estou”, disse Nossa Senhora. “Venho buscar o anjo que te dei para o levar até à corte dos anjos. Anjo seja.”

Como anjo da guarda da comunidade, o rapaz foi com Nossa Senhora e a epidemia acabou. A terra do “anjo seja” ficou a chamar-se Angeja.

Sem comentários:

Enviar um comentário