Número total de visualizações de página

quarta-feira, 11 de maio de 2016

FORNOS DE ALGODRES


Depois de muitas insistências de uma rapariga de Algodres, o povo acabou por lhe dar ouvidos. Ela dizia que sonhava várias vezes com uma senhora toda vestida de ouro, com uma coroa na cabeça, que montava um cavalo também todo branco.
Do sonho passou para a realidade e deu-se a vigiar o sítio onde a mulher aparecia. A trote, lá vinha ela sobre o tal cavalo branco e dirigia-se para a Misericórdia.
Quando falava naquela dama, a rapariga era tomada de êxtase, pelo que numa noite juntaram-se uns poucos no largo da Misericórdia para confirmarem as aparições da tal cavaleira, mas nada apareceu. Nas noites seguintes continuaram as vigias, mas da dama não viram sequer a mais ténue sombra. Estavam alguns para desistir, coléricos e despeitados, quando se deu o encontro. Estava-se na décima terceira semana do ano e passadas três luas cheias desde o primeiro de janeiro, marcando o calendário o dia 13. Eram precisamente 3 horas e 13 minutos quando viram surgir, vindo da Praça, o cavalo branco com uma donzela de vestes douradas, debruns de azul e ornamentos de estrelas, que se dirigia a trote para o castelo. Não lhes deu tempo nem ânimo de perguntarem quem era ou simplesmente darem-lhe a salvação de cortesia.
Assim se passaram 13 dias, até que na laje apareceu um estranho anão de orelhas pontiagudas e a dama a cavalo, que disse ao anão:
“Sou quem sou. Trata-me por rainha e quero informar-te, Algodres, que sejas como Jeremias, profeta de Jerusalém, que vais ter vários fogos na Barroca, ladrões que serão à chusma entre franceses, castelhanos, africanos e até daqui naturais. Vais crescer para o lado da Rasa e serás futuramente uma terra bela, acolhedora e apetecível”.
O sítio passou a ser conhecido por Laje da Rainha.

Sem comentários:

Enviar um comentário